Lô Pimentinha

Lô Pimentinha
Devaneios de uma mulher, filha, amiga e advogada piperácea, cujos frutos são bagas picantes. Pensamentos habitualmente utilizados como tempero do cotidiano.

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Eu encontrei

Durante toda a minha vida ouvi as pessoas falarem de amor e suas inúmeras variáveis: o amor amizade, o único, o passageiro, o impossível, o amor inexistente, o dúbio, o ambíguo, o físico, o espiritual, o amor fraternal, o materno, o amor invencível...


Eu vivi e ainda vivo algumas destas variáveis. Amo muitas pessoas e de diversas formas. Óbvio que algumas dessas formas eu não compreendi, como o amor passageiro. Afinal, se esse sentimento tão nobre foi criado, teria mesmo de ser finito? E o amor que não existe? Ainda existem pessoas tão céticas e eu não entendo como! Vocês entendem o amor das religiões? Eles não fogem ao próprio propósito quando trazem a guerra e o terrorismo? Já vi nos jornais o amor que mata, o amor que destrói. Seria mesmo amor o sentimento que tira essas vidas?

Estava confusa, até agora.

Cheguei a ouvir falar sobre o amor verdadeiro, mas nunca tinha presenciado. Até achei que sim, mas em um determinado momento descobria que não era verdadeiro. E então, puff! Ele aconteceu. Sim, aconteceu. Não me ensinaram, não me disseram, nada de estudos, longe de pesquisas. Esse amor passa longe do que os filósofos escreveram, ultrapassam os limites do imaginário, é mais puro que a poesia, é mais forte que o meu coração.

Depois de conhecer essa imensidão de variáveis de amor meu coração tinha se fechado, tinha se tornado uma porta com mil segredos... Quem me conhece sabe o quanto foi duro cicatrizar certas feridas... Mas apesar desses mil cadeados, ele se escancarou ao toque dos seus dedos.

O amor verdadeiro é inexplicável, e sinto que incorruptível também... Tentei resistir de todas as formas, fazer pose, ser difícil, ser formal. Ensinaram-me que se entregar não está com nada, que deveria fazer charme, sedução, ficar por cima. Aprendi que nada disso faz sentido. Quando a gente ama, entregar-se é fato, é a regra máxima.

O amor faz bem a alma, conforta o espírito, os dias passam mais suaves, as noites são mais tranqüilas. O amor nos faz pessoas melhores, estimula a nossa vida, nos torna mais vaidosos, nos faz mais seguros, nos faz mais cuidadosos.

Inexplicavelmente sinto mais vontade de escrever, ler, estudar, trabalhar. Tenho sede de sucesso na busca pelos meus sonhos. Tenho sido ainda mais mansa, prudente, paciente e compreensiva.

Inevitavelmente eu o descobri. O amor verdadeiro. Amor sincero, imenso, incorruptível. Sim, eu o quero, me entrego, simples assim. Eu escrevo, sem anseios, sem devaneios. Sim, em meio a milhões eu te encontrei, único.

Follow by Email